Seguidores

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Cacos


“Os cacos da vida, colados, formam uma estranha xícara.
Sem uso, ela nos espia do aparador”
Carlos Drummond de Andrade

Juntei meus cacos, meus trapos, meus laços
e  refiz minha história.

Mas sobraram pedaços
que não se encaixavam em lugar algum.

Com eles, tentei me reinventar
numa outra história
Deixando de lado
os velhos cacos, e trapos, e laços
Guardados, intactos
em algum lugar do meu passado.

regina ragazzi


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Tuas mãos


Gosto quando tocas em meus cabelos
Quando acaricias meu rosto com leveza
Quando seguras com firmeza minha mão
Nas horas de minhas angústias

Gosto do toque de tuas mãos em meu corpo
Nas nossas noites de amor
Das mãos que estendes
Quando me chamas pra junto de ti

Gosto quando secas minhas lágrimas
E me acalmas
Falas comigo através de tuas mãos
Não precisas de palavras
Ao segura-las
Não tenho medo de nada

Amo as tuas mãos

regina ragazzi



quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Nostalgia



Cada dia que nasce
a nostalgia percorre
teu corpo e alma
e fica dentro do teu coração!

Vives com olhar distante
vindo até mim,
olhas-me em imagens,
nas palavras e pausas...

O olhar se aproximou,
beijas os poemas,
sentes o perfume romântico
de cada um
- viveste dentro deles –
queres evitar de reler e reviver,
mas não consegues,
a nostalgia vive em ti!

José Manuel Brazão


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Meu Poema, minha Vida!


O espelho que não mente


Olho-me em ti
como meu companheiro
de todas as horas
vivendo as minhas angústias
por erros que não apagam
por amor que se pensou bem doado
vivendo as minhas tristezas
por querer ser melhor hoje do que fui ontem
na busca de me amar
para saber amar os outros
numa luta pela Vida
sempre constante, sem dimensão...
vivendo as minhas alegrias
dum sol nascente
com raios de esperança
e pensamento seguro
num caminhar
com corpo e alma renovados
e  a mão divina
ensinando o caminho libertador!
E olhando para ti
espelho da minha Vida
pela minha face lágrimas
com mistura de verdade e esperança,
 uma força que vive em mim
e com humildade aceitar
os desígnios de Deus
num destino que em mim existe
e olhando-te meu espelho da Vida
tu nunca me mentirás!


José Manuel Brazão

* Quem me conhece, sabe que este poema é mesmo um espelho de mim *


Ah.... eu ainda sou assim...

eias
Sou a 
Ah ... eu sou assim!
Às vezes alma
Às vezes corpo
Lúcida e louca
Certinha ou destrambelhada

Ah ... eu sou!
Um rio de lágrimas
Ou uma intensa gargalhada
Sou vida formigando nas veias
Sou a maior hóspede do precipício...
Sou silêncio absoluto
Ou falo pelos cotovelos

Eu sou essa mulher sem sentido
Cheia de nós
Mas tenho um coração
que não para de pulsar
e exteriorizar sentimentos

Porque são tantos
que não cabe guardá-los
Só pra mim,
aqui dentro do peito ...

regina ragazzi

domingo, 11 de novembro de 2012

Já não chega a saudade do teu olhar


O teu olhar
levou-me à paixão.
depois ao amor!

É um amor sem limites,
sem hesitação,
bebendo as tuas palavras,
a tua dedicação,
o teu amor em silêncio,
por vezes escondido,
outras vezes assumido!

Ninguém roubará
este amor que corre,
que se alimenta em nós!

Já não chega
a saudade do teu olhar...

José Manuel Brazão

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Gris...


Sou vestida de cinza
e já nem me importo
Sou das manhãs frias,
dos dias de chuva,
dos nostálgicos outonos.
Do silêncio,
da madrugada,
da lágrima,
da solidão...
Essa solidão fincada no peito
nasceu comigo e morrerá assim
Tudo bem,  é perfeito pra mim

O que sou me fez enxergar
a beleza rara do gris
(nem todos têm esse privilégio)
Mas não me impediu de ver
o  mundo  em outras cores
e eu as vejo sempre, sempre
quando meus olhos azulam...

regina ragazzi


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Coisas da vida...


Entardeceu
Como a sombra da árvore
Que lhe servia de abrigo
Aos poucos foi se desconstruindo
Desfazendo-se do seu mundo
Descolorindo seus sonhos
Apagando a sua história
Até que nada mais lhe restou na memória
Esvaziou-se
Era só uma caixa vazia
Onde eu estava... se nem existia??

Assistindo inútil à tudo
Mas ela nem percebia...

regina ragazzi

sábado, 3 de novembro de 2012

Voltarei sim no dia da saudade...



Sinto na minha alma
o eco das tuas palavras,
palavras vividas
sofridas por uma vida
sem sentido,
sem amor,
mas com esperança!

Vida por viver,
mas sonhada!

Através dos sonhos
de cada dia,
constróis os castelos
do carinho, do amor
que deste,
mas não recebeste!


Sinto ainda
o eco das tuas palavras
envoltas em lágrimas
que lavarão o passado,
para olhares o futuro,
com ansiedade...

Meu amor
Não aguento mais
Estar longe de ti;
Voltarei sim
no dia da saudade!

José Manuel Brazão


Para estar junto não é preciso estar perto e sim do lado de dentro!
Leonardo da Vinci

Ausências...


Outro dia virá...
E vieram, tantos e tantos dias
De sóis, de luas, de chuvas
Nem dá pra contar...

Flores crescendo nos jardins
Céu de todas as cores
Vento, mar...
Riso de crianças
Noites de amor
Ruídos, silêncios absolutos
Chegadas, despedidas
O azul, o vermelho, o negro
Sonhos, pesadelos
Soluços, gargalhadas
Olhares perdidos na multidão
Olhares fixos na imensidão
Vazios...
Carinho, porto, ninho

Outro dia virá
E vieram tantos e tantos dias...

regina ragazzi

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A vida vista por nós


Vida que desafia
Vida que tece teias
Vida que move as
pedras do tabuleiro

Vida que embriaga
Vida que fascina
Vida que morde
como se fosse um beijo

Vida serpente
Vida punhal
Vida braços que
empurram ao abismo

Vida...vida
Face reversa da VIDA
Imagem retorcida no espelho
Vida que às vezes me habita...

Regina Ragazzi


[....]

Abro
a porta da vida!
E que encontro?

Tudo
o que não desejo
para mim,
para os outros
e para o futuro;
o nosso destino!

Tudo
o que não avança,
que cheira a retrógrado,
a saudosismo,
a egoísmo,
a inveja, a desamor,
com indiferença
muita indiferença,
pela justiça social!

Tudo
que os homens
podem conquistar,
mas a cobiça
dos encapuçados
deixam-nos violados,
por momentos…

A nossa consciência,
ficará desperta
para uma nova era,
que nos libertará!

Pela porta da Vida
Luz entrará;
um clarão de Amor,
de justiça entre os Homens…

José Manuel Brazão

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Nostalgia...


Cada dia que nasce
a nostalgia percorre
teu corpo e alma
e fica dentro do teu coração!

Vives com olhar distante
vindo até mim,
olhas-me em imagens,
nas palavras e pausas...

O olhar se aproximou,
beijas os poemas,
sentes o perfume romântico
de cada um
- viveste dentro deles –
queres evitar de reler e reviver,
mas não consegues,
a nostalgia vive em ti!

José Manuel Brazão

Azul...


Já reparou que tudo passa, menos o azul?

Passa o tempo. o vento, o pássaro, a chuva, o perfume, a fumaça...
A vida passa...
as crianças crescem,
as estações mudam,
os amores acontecem e desacontecem,
A gente envelhece...
Mas o azul sempre está lá, no mesmo lugar, do mesmo jeito.
Nós lhe mudamos a cor, às vezes, mas ele continua azul.
Na nossa pequenês nem sempre nos damos conta do
significado de tanta imensidão
O infinito é o começo ... e nunca o fim...

regina ragazzi